A construção resultativa verdadeira em português brasileiro

Marcello Marcelino, Cândido Samuel Fonseca de Oliveira

Resumo


RESUMO:
Há tempos a construção resultativa é objeto de investigação em diferentes línguas. Uma pergunta natural, a partir da perspectiva gerativista, é se essas estruturas estão ligadas ao Parâmetro de Composição (PC). No presente trabalho, investigou-se, a partir de uma tarefa de julgamento de aceitabilidade com falantes monolíngues do português brasileiro (PB), se a resultativa verdadeira é uma construção disponível nessa língua. Os dados obtidos apontam que a construção verdadeira apresenta baixa aceitabilidade e tal resultado é interpretado como evidência de que o PB possui marcação com valor negativo do PC.

PALAVRAS-CHAVE:
Construção Resultativa Verdadeira; Parâmetro de Composição; Julgamento de Aceitabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BERTUCCI, R. Construções resultativas infinitivas em português brasileiro. Alfa, v. 59, n. 3, 2014, p. 623-644.

CHOMSKY, N. Knowledge of Language. New York: Praeger. 1986.

BIBERAUER, T., ROBERTS, I. Towards a parameter hierarchy for auxiliaries: diachronic considerations. In: Cambridge occasional papers in linguistics. v. 6, 2012, p. 267–294.

BOAS, H. Resultatives at the crossroads between the lexicon and syntax: Where are they formed? In: ANTRIM, N.; GODDALL, G.; SCHULTE-NAFEH, M.; SAMIIAN, V. (eds.), Proceedings of the 1999 Western Conference on Linguistics, v. 11, 2000, p. 38-52.

BROCCIAS, C. The English Change Network. Berlin/New York: Mouton de Gruyter. Cognitive Linguistics Research Series, v. 22, 2003.

FEATHERSTON, S. Magnitude estimation and what it can do for your syntax: Some WH-Constraints in German. Lingua, v.115, 2005, p. 1525-1550.

FOLTRAN, M. As construções de predicação secundária no português do Brasil: aspectos sintáticos e semânticos. 1999. 205f. Tese (Doutorado em Linguística), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

GOLDBERG, A; JACKENDOFF, R. The English Resultative as a family of constructions. Language, v. 80, 2004, p. 523-567.

BAKER, M The macroparameter in a microparametric world. In: BIBERAUER, T. (ed) The Limits of Syntax. Amsterdam: Benjamins, 2009, p. 351-374.

KAYNE, R. Parameters and Universals, Oxford: Oxford U. Press, 2000.

KNÖPFLE, A. Resultativas adjetivais e o estatuto nu do adjetivo. Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v.19, n.1, 2011, p.115-142.

KNÖPFLE, A. A estrutura sintática das resultativas adjetivais no alemão: uma proposta a partir de Kratzer (2005) 2010. 110f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

KRATZER, A. Building resultatives. In: MAIENBAUM, C.; WÖLLSTEIN-LEISEN, A. (Org.). Event arguments in syntax, semantics, and discourse. Tübingen: Niemeyer, 2005. p. 177-212.

LOBATO, L. Afinal, existe a construção resultativa em português? In: NEGRI, L.; FOLTRAN, M. J.; PIRES DE OLIVEIRA, R. (Org.). Sentido e significação. São Paulo: Contexto, 2004, p. 142-179.

MARCELINO, M. Resultativas em português brasileiro. Veredas, v. 18, n. 1, p. 121-137. 2014

_____. O Parâmetro de composição e a aquisição/aprendizagem de L2. 2007. 211f. Tese (Doutorado em Linguística), Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

_____. Construções resultativas em português e em inglês: uma nova análise. 2000. 97f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem). Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

MCDANIEL, D., MCKEE, C. & CAIRNS, H. Methods for assessing children’s syntax. London: The MIT Press, 1996.

NAKAZAWA, T. On interpretation of resultative phrases in Japanese. Proceedings of the 26th Pacific Asia Conference on Language, Information, and Computation, 2012. p. 592-601.

NATION, Paul. Teaching and learning vocabulary. Boston: Heinle & Heinle. 1990.

NORRIS, J. & ORTEGA, L. Defining and measuring SLA. In: GOUGHTY, C.; LONG, M. (eds.) The Handbook of Second Language Acquisition. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

OLIVEIRA, C. Uma investigação sobre a aquisição das regras de formação da construção resultativa por bilíngues de alta proficiência do par linguístico português do Brasil e inglês. Letrônica, Porto Alegre, v. 7, n. 1, 2014, p. 66-85.

OLIVEIRA, C.; SOUZA, R. Uma exploração da aprendizibilidade da construção resultativa do inglês por bilíngues do par linguístico português do Brasil e inglês. Confluência, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, 2012, p. 242-260.

PARK, K-S.; LAKSHMANAN, U. The unaccusative-unergative distinction in resultatives: Evidence from Korean L2 learners of English. In: Proceedings of the 2nd Conference on Generative Approaches to Language Acquisition North America (GALANA), 2007, p. 328-338.

PYLKKÄNNEN, Liina.; McELREE, Brian. The syntax-semantics interface: On-line composition of sentence meaning. In: TRAXLER, Matthew; GRENSBACHER, Marton. The Handbook of Psycholinguistics – 2nd Edition. London/Burlington: Academic Press. 2006. p. 1-69.

RECH, N. A formação de construções resultativas no português brasileiro. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 49, n. 1, 2007, p. 79-100.

SNYDER, W. Language acquisition and language variation: The role of morphology. Tese de Doutorado. Cambridge, MA: The Massachusetts Institute of Technology, 1995.

SORACE, A. Using Magnitude Estimation in developmental linguistics. In: BLOM, E.; UNSWORTH, S.. Experimental methods in language acquisition research. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2010, p. 57-72.

SORACE, A; KELLER, F. Gradience in linguistic data. Lingua, v. 115, 2005, p. 1497-1524.

YUAN, B. AND ZHAO, Y. Asymmetrical syntactic and thematic reconfigurations in English speakers’ L2 Chinese resultative compound constructions. International Journal of Bilingualism, v. 15, 2011, p. 38-55.

SOUZA, R. S.; OLIVEIRA, C. S. F. de. The learnability of the resultative construction in English L2: a comparative study of two forms of the acceptability judgment task. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 22, n. 2, 2014, p. 375-410.

SOUZA, R.; OLIVEIRA, C.; PASSOS, M.; ALMEIDA, L. Efeitos do bilinguismo sobre a L1: evidências em julgamentos de aceitabilidade e no processamento online de bilíngues em imersão na L2 ou não. Linguística, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, 2014, p. 193-212.

WECHSLER, S. Resultatives and the problem of exceptions. In: LEE, I. –H et al (eds.). Issues in English Linguistics: Papers from the 1st World Congress of Scholars of English Linguistics. Hanyang University, Seoul, South Korea. Hankookmunhwasa, Seoul, 2012, p. 119-131.

______. Resultatives Under the event-argument homomorphism model of telicity. In: The syntax of aspect: deriving thematic and aspectual interpretation, ed. Nomi Erteschik-Shir and Tova Rapoport. Oxford: Oxford University Press, 2005, p. 255-273.

______. An analysis of English resultatives under the event-argument homomorphism model of telicity. In: Proceedings of the 3rd Workshop on Text Structure. Austin, Texas: Department of Linguistics, University of Texas, 2001, p. 1-15.

WECHSLER, Stephen; NOH, Bokyung. On resultative predicates and clauses: parallels between Korean and English. Language Science, v. 23, 2001, p. 391-423.

WHITE, L. Second language acquisition and Universal Grammar. Cambridge: CUP, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i47.40

ISSN: 2317-4153 | Indexadores