A expansão lexical em produtos alimentícios industrializados no português brasileiro

Alexandre Antonio Timbane, Dayanny Marins Coelho

Resumo


O estudo tem como objetivo identificar e discutir a formação de nomes de produtos alimentares industrializados mais comuns no contexto brasileiro. O nome faz parte do processo de ampliação do léxico da língua e assim, questiona-se qual formação linguística desses nomes? Utilizando 20 produtos sendo 5 enlatados e embutidos, 5 derivados de leite, 5 derivados de cereais e 5 bebidas. A escolha dos produtos foi aleatória e foi auxiliado pelo Dicionário Houaiss (2009) como corpus de exclusão no caso de neologismo. Da pesquisa concluiu-se que o nome do produto carrega uma história. O autor do nome não só pensa na beleza, mas também no impacto que o nome provocará diante do consumidor. Por isso o autor recorre ao inglês, francês, japonês e raras vezes no português. Basta ser processado, o produto perde seu nome original e passa a receber novo nome. Da pesquisa se conclui que a atribuição de nomes de produtos alimentares industrializados exige uma reflexão profunda, pois alguns nomes podem afastar o consumidor ao invés de atraí-lo. A atribuição do nome é cultural e surge da necessidade sociológica do ser humano, principalmente no espaço comercial.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, L. F. de. Os africanos e as falas africanas no Brasil. In: GALVES, C.; GARMES, H.; RIBEIRO, F. R. (Org.). África-Brasil: Caminhos da língua portuguesa. Campinas, SP: Ed. UNICAMP, 2009. p.15-26.

ALMEIDA, H. B. de. Sentidos simbólicos dos personagens e celebridades da mídia. In: CABRAL, J.de P.; VIEGAS, S. de M. (Org.). Nomes: gêneros, etnicidade e família. Coimbra: Almedina, 2007. p.245-264.

ALVES, I. M. Neologismo: criação lexical. São Paulo: Ática, 1990.

ANTUNES, I. Território das palavras: estudos do léxico em sala de aula. São Paulo: Parábola, 2012.

BARROS, L. A. A. Curso básico de terminologia. São Paulo: Ed. USP, 2004.

BASILIO, M. Em torno da palavra como unidade lexical: palavras e composições. Veredas, revista de estudos linguísticos. Juiz de Fora, v. 4, n. 2, p. 9-18, 2000.

BIDERMAN, M. T. C. A estrutura mental do léxico. In: Miscelânea Homenagem a I. S. Salum. Estudos de filosofia e linguística. São Paulo: T. A. Queiroz/ USP, 1981. p. 131-145.

BIDERMAN, M. T. C. Conceito linguístico de palavra. Palavra. Petrópolis: Vozes, p.81-97, 1999.

BIDERMAN, M. T. C. Dimensões da palavra. Filologia e Lingüística Portuguesa, n. 2, p. 81-118, 1998.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Produção e industrialização de alimentos. Brasília: UnB, 2009.

CABRAL, J. de P.; VIEGAS, S. de M. Nomes e ética: uma introdução ao debate. In: CABRAL, J. de P.; VIEGAS, S. de M. (org.). Nomes: gêneros, etnicidade e família. Coimbra: Almedina, 2007. p.13-37.

CAGLIARI, L. C. A ortografia na escola e na vida. In: MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. (Org). Diante das letras: a escrita na alfabetização. Campinas, SP: Mercado de letras, 1999. p.61-96.

CAGLIARI, L. C. (Org). Questões de morfologia e fonologia. v.5. Campinas, SP: Coleção Espiral, 2002.

CARVALHO, N. Empréstimos linguísticos na língua portuguesa. São Paulo: Cortez, 2009.

CORREIA, M.; ALMEIDA BARCELLOS, G. M. Neologia em Português. São Paulo: Parábola, 2012.

COUTO, H. H. Língua e meio ambiente. Revista de Estudos Linguísticos. Belo Horizonte, v. 17, n. 1, p. 143-178, jan./jun. 2009.

GROSJEAN, F. Life with two languages: an introduction to bilingualism. Harvard University Press, 1982.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S.; MELLO FRANCO, F. M. de. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva/Houaiss, 2009.

JUSTINA, O. D. Presença e uso de anglicismos no cotidiano brasileiro: a visão de pessoas comuns. (Dissertação) Mestrado em Estudos de Linguagem. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2006.

KATAMBA, F. Morphology. Houndmills: The Macmillan Press, 1993.

LIMA, A. P. de. Intencionalidade, afecto e distinção: as escolhas de nomes em famílias de elite de Lisboa. In: CABRAL, J. de P.; VIEGAS, S. de M. (Org.). Nomes: gêneros, etnicidade e família. Coimbra: Almedina. 2007, p.39-62.

OLIVEIRA, V. R. de; MALTA, M. C. M.; FILHO, D. de O. L. Conceito de alimento natural e alimento industrializado: uma abordagem sóciocomportamental. XXVII Encontro Nacional de Engenharia de produção. Foz de Iguaçu, 09 a 11 de outubro de 2007. p. 1-10.

PETTER, M. M. T. O continuum afro-brasileiro do português. In: GALVES, C.; GARMES, H.; RIBEIRO, F. R. (Org.). África-Brasil: caminhos da língua portuguesa. Campinas, SP: Ed. UNICAMP, 2009. p.159-174.

ROSA, M. C. Introdução à morfologia. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2011.

SABLAYROLLES, J.-F. La néologie aujourd’hui. In: GRUAZ, C. et LAMBERT-LUCAS, L. (org.). À la recherche du mot: de la langue au discours. 2006. p.141-157.

LUCAS, L. (org.). Extraction automatique et types de néologismes: une nécessaire clarification. Revue les cahiers de lexicologie. n° 100, jui. 2012, p. 37-53.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. 20.ed. São Paulo: Cultrix, 1995.

SIQUEIRA, K. M. de F. Léxico tupi na nomeação dos lugares goianos nos séculos XVII e XVII. In: PAULA, M. H. de. (Org.). Língua e cultura: estudos de léxico em perspectiva. Goiânia: UFG, 2015. p.86-106.

A criatividade lexical da língua portuguesa: uma análise com brasileirismos e moçambicanismos. Caligrama. Belo Horizonte, v.18, n.2, p.7-30, 2013.

TIMBANE, A. A. A formação de palavras a partir de siglas e acrônimos estrangeiros na língua portuguesa. Verbum: Cadernos de Pós-Graduação, n. 6, p. 50-68, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i54.231

ISSN: 2317-4153 | Indexadores