A indeterminação do sujeito na Bahia, nos séculos XIX e XX: questões que envolvem uma análise variacionista no nível morfossintático

Valter de Carvalho Dias

Resumo


Esta pesquisa investigou as principais estratégias para marcar a indeterminação do sujeito em textos escritos na Bahia (Cartas de Leitores, Cartas de Redatores e Peças Teatrais), nos séculos XIX e XX, à luz do Sociofuncionalismo, no qual se tem o enquadramento teórico-metodológico da Sociolinguística Variacionista e a compreensão dos usos linguísticos na perspectiva do Funcionalismo. Levou-se em consideração também os questionamentos de Lavandera (1978) no que diz respeito às implicações de uma análise da variação linguística no nível morfossintático.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática metódica da língua portuguesa. 45.ed. 2.tir. São Paulo: Saraiva, 2005.

AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Publifolha, 2008.

BENTIVOGLIO, Paola. A variação nos estudos sintáticos. Estudos Lingüísticos, XIV. Anais de seminários do GEL. Campinas: UNICAMP, 1987, p.7-29.

CALLOU, Dinah; OMENA, Nelize & PAREDES, Vera. Teoria da variação e suas relações com a semântica, pragmática e análise do discurso. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, (20), Jan/Jun, 1991, p.17-21.

CAMPOS, Vitor Cezário Silveira. Estratégias de indeterminação em cartas do século XIX. 2010. 98 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

CARVALHO, Valter de. Você, a gente et allia indeterminam o sujeito em Salvador. 2010. 198 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2010.

CAVALCANTE, Silvia Regina de Oliveira. A indeterminação do sujeito na escrita padrão: a imprensa carioca dos séculos XIX e XX. 1999. 117 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48.ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

CHESHIRE, Jenny. Syntatic variation and spoken language. Disponível em: . Acesso em: 10 jan.2017. [2005].

CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 3.ed. 8.imp. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

DUARTE, Maria Eugênia Lammoglia. Termos da oração. In: VIEIRA, Silvia Rodrigues; BRANDÃO, Silvia Figueiredo. Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007. p. 185-203.

FAGGION, Carmen Maria. A indeterminação em português: uma perspectiva diacrônico-funcional. 2008. 1999 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Bento Gonçalves, 2008.

GADET, Françoise. La variation, plus qu’une écume. Langue Française, 115. Paris: Larousse, 1997, p.5-18.

GARCÍA, E. C. Shifting variation. Lingua, Amsterdam, v.67, p.189-224, 1985.

HASTY, J. Daniel. We might should be thinking this way: Theory and practice in the study of syntactic variation. Disponível em: . Acesso: 10 jan.2017. [2014]

LABOV, William. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

LABOV, William. Where does the linguistic variable stop? A response to Beatriz Lavandera. In: LABOV, William. Sociolinguistic working paper, Austin, n.44, p. 6-21. abr.1978. Southwest Educational Development Laboratory.

LAVANDERA, Beatriz R.. Where does the sociolinguistic variable stop? Language in society, [s.l.], v.7, n.02, p.171-182, ago.1978. Cambridge University Press (CUP). http://dx.doi.org/10.1017/s0047404500005510.

MENON, Odete Pereira da Silva. A indeterminação do sujeito no português do Brasil: NURC-SP e VARSUL. In: VANDRESEN, Paulino. Variação, mudança e contato linguístico no Português da Região Sul. Pelotas: Educat, 2006. Cap. 7, p. 125-167.

MILANEZ, Wânia. Recursos de indeterminação do sujeito. 1982. 149 f. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1982.

MILROY, Lesley; GORDON, Matthew. Sociolinguistics: method and interpretation. Malden, Massachusetts, USA: Blackwell Publishing, 2003.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

NUNES, Jairo Morais. O famigerado se: uma análise sincrônica e diacrônica das construções com se apassivador e indeterminador. 1990. 189 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-graduação da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1990.

OLIVEIRA, Josane Moreira de. O futuro da língua portuguesa ontem e hoje: variação e mudança. 2006. 254 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-graduação em Letras Vernáculas, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

PEREIRA, Deize Crespim. Uma análise funcionalista da indeterminação do sujeito no Português Popular falado em São Paulo. Filologia e Linguística Portuguesa, Brasil, v. 15, n. 2, p. 475-518, apr. 2013. ISSN 2176-9419. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2017.

PONTES, Natália Gilvaz. As estratégias de indeterminação do sujeito: tradição textual e mudança linguística. 2008. 123 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

ROCHA LIMA, Carlos Henrique da. Gramática normativa da língua portuguesa. 47.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

ROMAINE, Suzanne. The status of variable rules in sociolinguistic theory. Journal Of Linguistics, Cambridge, n. 17, p.93-119, mar. 1981. Anual.

SANTANA, Neila Maria Oliveira. A indeterminação do sujeito no português rural do semi-árido baiano. 2006. 153 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística do Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

TARALLO, Fernando. Diagnosticando uma gramática brasileira: o português d’aquém e d’além mar ao final do século XIX. In: ROBERTS, Ian; KATO, Mary A. (Orgs.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. p.69-105.

VARGAS, Amanda de Santana Campos. Estratégias pronominais de indeterminação: um estudo diacrônico. 2010. 113 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i54.225

ISSN: 2317-4153 | Indexadores