A alternância tu e você: cartas capixabas

Maria Marta Pereira Scherre, Lilian Coutinho Yacovenco, Juliana Rangel Scardua

Resumo


Com base na Sociolinguística Variacionista (LABOV, 2008 [1972]), o presente trabalho analisa a variação das formas pronominais tu e você, na posição de sujeito, em cartas capixabas do início do século XX. Para o tratamento quantitativo dos dados, utilizamos o programa GoldVarb X (SANKOFF; TAGLIAMONTE; SMITH 2005), que forneceu a frequência global de cada variante, bem como a significância estatística dos fatores sobre o uso dos pronomes de segunda pessoa do singular. Os resultados depreendidos da análise de 226 dados mostram: (1) alto índice de tu, (2) mudança de tratamento clara conforme o interlocutor, (3) favorecimento do tu como forma nula e nos tópicos de maior proximidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHIAMÉ, F. O Espírito Santo na era Vargas (1930-1937). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BROWN, R.; GILMAN, A. The Pronouns of Power and Solidarity. In: SEBEOK, T. A. (eds.). Style in Language. Cambridge: Massachusetts, The MIT Press, 1960, p. 253-449.

CALMON, E. N. Ponte da passagem: você e cê transitando na fala de Vitória (ES). 2010. 139 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.

CINTRA, L. F. L. Sobre formas de tratamento na língua portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte/Coleção Horizonte, 1972.

GUY, G. R.; ZILLES, A. Sociolinguística quantitativa: instrumental de análise. São Paulo: Parábola, 2007.

KOCH, I. G. V. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 1992.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

LOPES, C. R. dos S.; MACHADO, A. C. M.. Tradição e inovação: indícios do sincretismo entre segunda e terceira pessoas nas cartas dos avós. In: LOPES, C. R. dos S. (Org). Norma brasileira em construção: fatos lingüísticos em cartas pessoais do século XIX. Rio de Janeiro: Pós-graduação em Letras Vernáculas/FAPERJ, 2005, p. 45-66.

LOPES, C. R. dos S.; MARCOTULIO, L. L. O tratamento a Rui Barbosa. In: CALLOU, D.; BARBOSA, A. (Org.). A norma brasileira em construção: cartas a Rui Barbosa (1866 a 1899). Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, v. 2, 2011, p. 265-292.

LOPES, C. R. dos S.; DUARTE, M. E. L. De Vossa mercê a você: análise da pronominalização de nominais em peças brasileiras e portuguesas setecentistas e oitocentistas. In: BRANDÃO, S. F.; MOTA, M. A. (Org). Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos. Rio de Janeiro: In-fólio/ Faculdade de Letras da UFRJ, 2003. p. 61-76.

LOPES, C. R. dos S. Tradição discursiva e mudança no sistema de tratamento do português brasileiro: definindo perfis comportamentais no início do século XX. Alfa: Revista de Linguística, São Paulo, v. 55, n. 2, p. 361-392, 2011.

LOPES, C. R. dos S.; RUMEU, M. C. de B.; MARCOTULIO, L. L. O tratamento em bilhetes amorosos no início do século XX: do condicionamento estrutural ao sociopragmático. In: COUTO, L. R.; LOPES, C. R. dos S. (Org.). As formas de tratamento em português e em espanhol: variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF, 2011, p. 315-348.

MARCOTULIO, L. L. A preservação das faces e a construção da imagem no discurso político do marquês do Lavradio: as formas de tratamento como estratégias de atenuação da polidez linguística. 2008. 215f. Dissertação (Mestrado em Llíngua Portuguesa) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

MARCOTULIO, L. L. Língua e história: o 2º marquês do Lavradio e as estratégias linguísticas da escrita no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Ítaca, 2010.

NARO, A. J. Modelos quantitativos e tratamento estatístico. In: MOLLICA, M.C; BRAGA, M. L. Introdução à sociolinguística: o tratamento da variação. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2013. p. 15-25.

BRAGA, M. L. Conclusão. In: NARO, A. J.; SCHERRE, M. M. P. Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2007, p.179-205.

PAREDES SILVA, V. L. O retorno do pronome tu à fala carioca. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. Português brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003, p. 160-169.

RUMEU, M. C. de B. A implementação do “Você” no português brasileiro oitocentista e novecentista: um estudo de painel. 2008. 276f. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

RUMEU, M. C. de B. A variação “tu” e “você” no português brasileiro oitocentista e novecentista: reflexões sobre a categoria social gênero. Alfa: Revista de Linguística, v. 57, p. 545-576, 2013.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S. A.; SMITH, E. Goldvarb X - a multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics, 2005. Disponível em: .

SCHERRE, M. M. P.; DIAS, E.P.; ANDRADE, C.; MARTINS, G. F. Variação dos pronomes “tu” e “você”. In: MARTINS, M.A.; ABRAÇADO, J. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo, Contexto, 2015, p. 133-172.

SILVA, E. N. A variação entre as formas pronominais de segunda pessoa “tu” e “você” em cartas de 1930. Anais do SILEL, v. 2, n. 2, Uberlândia, p. 1-11, 2011.

SILVA, P. F. da. O tratamento no início do século XX: uma análise sociopragmática das cartas da família Land Avellar. 2012. 147f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 2007.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2006 [1968].




DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i54.224

ISSN: 2317-4153 | Indexadores