A gramática como lugar de materialização de dizeres sobre a língua: o caso do substantivo na 1.ª e na 37.ª edição da Moderna Gramática Portuguesa de Evanildo Bechara

Thaís de Araujo da Costa

Resumo


RESUMO: No presente artigo, a partir da articulação entre a História das Ideias Linguísticas e a Análise de Discurso, analisamos os capítulos dedicados ao estudo do substantivo da 1.ª e da 37.ª edições da Moderna Gramática Portuguesa de Evanildo Bechara, publicadas, respectivamente, em 1961 e 1999. A análise desenvolvida demonstrou que, enquanto produtos históricos resultados de gestos de interpretação procedidos por sujeitos-gramáticos, sob determinadas condições de produção, as gramáticas configuram-se como lugares de materialização de dizeres sobre a língua que supõem descrever, dizeres esses que, por sua vez, também são determinados historicamente.

PALAVRAS-CHAVE: Gramática. Substantivo. Moderna Gramática Portuguesa. Evanildo Bechara. História das Ideias Linguísticas. Análise de Discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


a) Obras analisadas

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa (curso médio) − com base na Nomenclatura Gramatical Brasileira. 1ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1961.

_________. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ª edição. rev. e amp. Rio de Janeiro: Lucerna, 1999.

b) Obras citadas

ALTMAN, Cristina. A Conexão Americana: Mattoso Câmara e o Círculo Linguístico de Nova Iorque. DELTA, n.20, especial, 2004, p.129-158.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização (1992). Trad. Eni P. Orlandi. 2ª. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2009.

BALDINI, Lauro José Siqueira. A nomenclatura gramatical brasileira interpretada, definida, comentada e exemplificada. Dissertação de mestrado. Campinas, SP: 1999.

BRASIL. Ministério do Estado da Educação e Cultura. Portaria nº. 36, de 28 de janeiro de 1959, que dispõe sobre a implementação da Nomenclatura Gramatical Brasileira, Rio de Janeiro, RJ, 1959.

CÂMARA JR., Mattoso. Estrutura da língua portuguesa (1970). 36ª. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, s/d.

CAVALIERE, Ricardo (org.). Entrelaços entre textos: miscelânea em homenagem a Evanildo Bechara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

CHISS, Jean-Louis; PUECH, Christian. F. de Saussure et la constitution d'un domaine de mémoire pour la linguistique contemporaine. In: Langages, 28e année, n°114, 1994. pp. 41-53.

DE LEMOS, C.; DE VITTO, M.; ANDRADE, L.; SILVEIRA, ELIANA. Le saussurisme em Amérique latine au XXe siècle. In : Cahiers de Ferdinand de Saussure, número 56, 2003, p. 165-176.

DEZERTO, Felipe Barbosa. Francês e Colégio Pedro II: um processo de construção de um campo disciplinar escolar (de 1838 a 1945). 2013. Tese de Doutorado – Instituto de Letras, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói. 2013.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? (1969-1983). In: Ditos e escritos III - Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. pp. 264-298.

_________. A Ordem do discurso. 15ª ed. São Paulo: Loyola, 2007.

FOURNIER, J.M. Recherches sur les theories grammaticales de la tradition française (16e. – 19e. siècle), Memoire depose em vue de l´habilitation a diriger des recherches, Paris, 2008.

GUIMARÃES, Eduardo. “Sinopse dos estudos do português no Brasil: a gramatização brasileira”. In: GUIMARÃES E.; ORLANDI, E. (orgs.). Língua e Cidadania: o português do Brasil. Campinas, SP: Pontes, 1996.

_________. História da Semântica. Campinas, SP: Pontes, 2004.

HENRIQUES, Claudio Cezar. O Cânone Linguístico-Literário na Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo Bechara. Idioma, 20. Rio de Janeiro: Centro Filológico Clóvis Monteiro/UERJ, 1998, p. 25-36.

INDURSKY, Freda. Identificação e contra-identificação: diferentes modalidades de subjetivação no discurso do/sobre o MST. In: MARIANI (org.). A escrita e os escritos: reflexões em análise de discurso e psicanálise. São Carlos: Clara Luz, 2006.

________ . Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise de discurso. In: MITTMANN, S., GRIGOLETTO, E. e CAZARIN, E. (Orgs.). Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prova, 2008.

MACIEL, Maximino. Breve retrospecto sobre o ensino da língua portuguesa (1910). In: Revista Relatos 3. Junho/1996. Disponível em: . Acesso em 10AG02014.

MARIANI, Bethânia. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Rio de Janeiro: Revan; Campinas, SP: UNICAMP, 1998.

MEDEIROS, Vanise Gomes; PACHECO, Denise. Materiais didáticos de Língua Portuguesa: reflexões acerca do lugar do professor. In: DAHER, Del; GIORGI, M. Cristina; RODRIGUES, Isabel. (Org.). Trajetórias em enunciação e discurso: práticas de formação docente. 1 ed. São Carlos: Claraluz, 2009, v. 1, p. 49-60.

MEDEIROS, Vanise G.; MATTOS, Thiago. O Dialeto Caipira, de Amadeu Amaral: Discurso Fundador e Acontecimento Discursivo. In: Revista Confluência, n. 41/42, 2012.

ORLANDI, Eni. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

_______ . Interpretação; autoria, leitura e efeitos de trabalho simbólico (1996). 5ª edição – Campinas, SP: Pontes Editores, 2007.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio (1975). 4ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

PUECH, Christian. Manuélisation et disciplinarisation des savoirs de la langue. Les Carnets du Cediscor [En ligne], 5 | 1998. Disponível em: http://cediscor.revues.org/267. Acesso em : 6DEZ2015.

SAVATOVSKY, Dan. Le français, matière ou discipline?. In: Langages 120: Les savoirs de la langue, histoire et disciplinarité. Vol. 29. Paris: Larousse, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v2i53.191

ISSN: 2317-4153 | Indexadores