A fluência e compreensão leitora em diferentes níveis de escolaridade

Alcione de Jesus Santos, Vera Pacheco

Resumo


RESUMO: Fluência de leitura é a habilidade e precisão com que o indivíduo decodifica um texto. Leitores em processo de escolarização, por gastarem muito tempo na decodificação, apresentam níveis de velocidade e precisão de leitura inferiores aos níveis de leitores escolarizados. Por essa razão, a compreensão da leitura também é comprometida, uma vez que não sobra espaço e tempo para a realização de operações complexas como análise sintática, integração semântica dos constituintes da frase e integração das frases na organização textual, processos importantes na compreensão da leitura. O nosso objetivo foi investigar em que medida a velocidade, precisão e compreensão de leitura se relacionam com o nível de escolaridade.

PALAVRAS-CHAVE: Fluência de leitura; compreensão de leitura; nível de escolaridade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLINGTON, R. L. (1983). Fluency: The neglected reading goal. The Reading Teacher, 36, 556–561.

ÁVILA, C. R. B.; CARVALHO, C. A. F.; KIDA, A S B. Parâmetros de fluência e compreensão de leitura. In: Temas em dislexia. T. BARBOSA, C. C. RODRIGUES, C B. MELLO, S. A. CAPELLINI, R. MOUSINHO; L. M. ALVES (Orgs.) São Paulo: Artes Médicas, 2009.

BREZNITZ, Z. Fluency in reading: synchonization of processes. Mahwah: Lawrence Elbaum Associates, 2006.

CAPOVILLA, A. G. S; CAPOVILLA, F. C. Efeitos do treino de consciência fonológica em crianças com baixo nível sócio-econômico. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre , v. 13, n. 1, 7-24, 2000.

CARVALHO, A. (2008). Teste de Avaliação da Fluência e Precisão de Leitura (Dissertação de mestrado em Psicologia, apresentada na faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, da Universidade de Coimbra).

CARVALHO; PEREIRA (2009). O Rei – Um teste para avaliação da fluência e da precisão da leitura no 1º e 2º ciclos do ensino básico. Psychologica, 51, 285-305, 2009.

FRITH, U. Beneath the surface of developmental dyslexia. In: K. PATTERSON, J; MARSHALL, M. COLTHEART (Eds.). Surface dislexya: neuropsychological and cognitive studies of phonological reading. London: Lawrence Erlbaum Associates. 1985.

GOODMAN. K. Reading: a psycholinguistc guessing game. In: Journal of reading specialist. N. 6, p. 126-135, 1967.

GOUGH, S. B. Studies on Wisconsin desmids (Desmidiales, Chlorophyta) with emphasison those occurring in hard waters. Ph.D. thesis, Univ. Wisconsin-Madison, 228 p, 1976.

HUDSON, R. F.; LANE, H. B.; PULLEN, P. C. Reading fluency assessment and instruction: What, why, and how? The Reading Teacher, Newark, v. 58, n. 8, 702-714, May 2005.

KATO, M. O aprendizado da leitura. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

KLEIMAN, A. Leitura: ensino e pesquisa. Campinas, SP: Editora Pontes, 1989.

_________. Oficina de leitura: teoria e prática. Campinas: Pontes, 2007.

RUMELHART, D. E. Toward an interactive model of reading. In: DORNIC, S. Attention and performance VI. Hillsdale, N.J.: Erlbaum, 1977, p.575-603.

LABERGE, D; SAMUELS, S. J. Toward a theory of automatic information processing in reading In: Cognitive Psychology, 1974, 6, 293-323. Disponível em < https://www.researchgate.net/publication/222877311_Toward_a_theory_of_automatic_information_processing_in_reading>;

LEITE, Camila Tavares. A relação entre a compreensão e os aspectos prosódicos na leitura em voz alta de falantes do PE e do PB. 2012. 217f. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em < http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/LETR-8U7NQ9/1308d.pdf?sequence=1>.

MARSH et al. A cognitive developmental approach to reading acquisition. In Waller, T, G., & MacKinnon G. E. (Eds.), Reading research. Advances in theory and practice. Vol 3. New York: Academic Press, 1981.

MORAIS, J. A arte de ler. Trad. Álvaro Lorencini - São Paulo: Editora UNESP, 1996.

MATHER, N.; GOLDSTEIN, S. (2001). Learning disabilities and challenging behaviors: A guide to intervention and classroom management. Baltimore: Brookes. Disponível em < http://www.lrc.tnu.edu.vn/Upload/Collection/brief/47274_126201582337learning_Part1.pdf>.

PACHECO, V. O efeito dos estímulos auditivo e visual na percepção dos marcadores prosódicos lexicais e gráficos usados na escrita do português brasileiro. 2006. 349p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Disponível em < http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000406564>.

PERFETTI, C. Reading ability. New York: Oxford University Press, 1985.

PIAGET, J. O nascimento da inteligência na criança. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

SALLES, J. F.; PARENTE, M. A. M. P. (2002). Processos cognitivos na leitura de palavras em crianças: relações com compreensão e tempo de leitura. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(2): 321-331.

SALLES, J F.; PARENTE, M. A. M. P. (2007). Avaliação da leitura e escrita de palavras em crianças de 2ª série: abordagem neuropsicológica cognitiva. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(2): 220-228. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/prc/v20n2/a07v20n2.pdf>.

SAMUELS, S. J.; KAMIL, P. Models of the reading process. In: PEARSON P. D. (ed). Handbook of Reading Research (pp. 212-221). New York: Longman, (1984).

SANTOS, M. T. M.; NAVAS, A. L. Distúrbios de leitura e escrita: teoria e prática. São Paulo: Manole, 2002.

SCHIRMER Carolina R.; FONTOURA Denise R.; NUNES Magda L. Distúrbios da aquisição da linguagem e da aprendizagem. Jornal de Pediatria vol.80 no.2. Porto Alegre, 2004. Disponível em .

SMITH, F. Compreendendo a leitura. Uma análise psicolingüística e do aprender a ler. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989, 423 p.

SMITH, Frank. Compreendendo a leitura: uma analise psicolingüística da leitura e do aprender a ler. 2ª reimpressão. Porto Alegre: ArtMed, 2003.

STIVANIN, L.; SCHEUER, C. I. (2007). Tempo de latência para a leitura: influência da frequência da palavra escrita e da escolarização. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 12(3): 306-213. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-80342007000300008>

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. 6.ed. Tradução de Cláudia Schilling. Porto Alegre: ARTMED, 1998.

SEYMOUR, P.; MACGREGOR. Developmental dyslexia: a cognitive experimental analysis of phonological, morphemic, and visual impairments. Cognitive Neuropsychology, 1(1):43-82, 1984.

TAYLOR, W. Cloze procedure: a new tool for measuring readability. Journalism Quartely, 1953.

TORGESEN, ET AL. Progress towards understanding the instructional conditions necessary for remediating reading difficulties in older children. In B. FOORMAN (Ed.), Preventing and remediating reading difficulties: Bringing science to scale (pp. 275–298). Baltimore: York Press, 2003.

WANG ET AL. (2011). Oral reading rates of second-grade students. Journal of Educational Psychology, 103(2): 442-454.




DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i52.172

ISSN: 2317-4153 | Indexadores