A língua do/no Brasil: efeitos da memória e da história

Caroline Schneiders

Resumo


RESUMO:
No presente estudo, procuramos desenvolver uma reflexão que tem por objetivo compreender a memória constitutiva do discurso sobre a língua do/no Brasil no início do século XX, a partir das obras: A defesa da língua nacional (1920), de Laudelino Freire, e A língua do Brasil (1947), de Gladstone Chaves de Melo. Por meio dessas materialidades discursivas, interessa-nos observar a maneira como a história e a memória afetam e determinam o modo como a língua do/no Brasil é significada em diferentes conjunturas sócio-histórica e ideológica. O referencial teórico em que nos ancoramos vincula-se à perspectiva da História das Ideias Linguísticas, articulada aos pressupostos teóricos-metodológicos da Análise de Discurso de linha pecheuxtiana.

PALAVRAS-CHAVE: Língua. Memória. História.

Texto completo:

PDF

Referências


AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 1992.

______. Les modes d’historicisation. In: CHEVILLARD, J.-L. (org.) Histoire Épistémologie Langage. SHESL (Paris), 2006. p. 105-116.

______. A questão da origem das línguas, seguido de A historicidade das ciências. Trad. Mariângela Pecciolli Gali Joanilho. Campinas, SP: Editora RG, 2008.

DIAS, L. F. Os Sentidos do Idioma Nacional: as bases enunciativas do nacionalismo linguístico no Brasil. Campinas, São Paulo: Editora Pontes, 1996.

_____. O nome da língua do Brasil: uma questão polêmica. In: Orlandi, E. (Org.) História das Idéias Lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes, 2001, p. 185-197.

FREIRE, L. A defesa da língua nacional. Rio de Janeiro, 1920.

GUIMARÃES, E. Política de línguas na linguística brasileira. In: Orlandi, E.; Guimarães, E. (Orgs.). Política Lingüística no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2007, p. 63-82.

_____. Enunciação e Política de Línguas no Brasil. Revista Letras – Espaços de Circulação da Linguagem, vol. 1 (n° 27, julho/dez.), p. 47-53, 2003.

MARIANI, B. Colonização linguística: línguas, política e religião no Brasil (séculos XVI a XVIII) e nos Estados Unidos da América (século XVIII). Campinas: Editora Pontes, 2004.

MELO, G. C. de. A língua do Brasil. 2. ed. Fundação Getúlio Vargas, 1971 [1946].

ORLANDI, E.; GUIMARÃES, E. Formação de um espaço de produção linguística: a gramática no Brasil. In: ORLANDI, E. (Org.). História das Idéias Lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes, 2001, p. 21-38.

ORLANDI, E. Terra à vista!: discurso do confronto: velho e novo mundo. Campinas, Editora da Unicamp, 1990.

______. Discurso fundador: a formação do país e a construção da identidade nacional. São Paulo: Campinas, Editora Pontes, 1993.

______. Exterioridade e Ideologia. Cadernos de Estudos Lingüísticos. Campinas, nº 30, jan/jun, p. 27-33, 1996.

______. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das idéias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

______. Língua Brasileira e Outras Histórias: Discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas, Editora RG, 2009.

PFEIFFER, C. A língua nacional no espaço das polêmicas do século XIX/XX. In: Orlandi, E. (Org.) História das Idéias Lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes, 2001, p. 167-183.

PETRI, V. O Funcionamento do Movimento Pendular Próprio às Análises Discursivas na Construção do “Dispositivo Experimental” da Análise do Discurso. In: PETRI, Verli. DIAS, Cristiane (Org.). Análise de Discurso em Perspectiva – Teoria, método e análise. Santa Maria: Editora da UFSM, 2013, p. 39-48.

______. Imaginário sobre o gaúcho no discurso literário: da representação do mito em Contos Gauchescos, de João Simões Lopes Neto, à desmitificação em Porteira Fechada, de Ciro Martins. 2004. 332 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

PUECH, C. Pour une historie de la linguistique dans l’histoire de la linguistique. In: CHEVILLARD, J.-L. (org.) Histoire Épistémologie Langage. SHESL (Paris), 2006. p. 09-24.

SERRANI, S. M. A linguagem na pesquisa sociocultural: um estudo da repetição na discursividade. Campinas. SP: Editora da Unicamp, 1997.

VENTURINI, M. C. Imaginário urbano: espaço de rememoração/comemoração. Passo Fundo, ED. UPF, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i52.167

ISSN: 2317-4153 | Indexadores