O verbo na tradição gramatical brasileira

Leonor Lopes Fávero

Resumo


RESUMO:
O trabalho examina o verbo na produção gramatical brasileira do século XIX, à luz da História das Idéias Lingüísticas, lembrando que pesquisadores, apesar da dificuldade ou mesmo impossibilidade de uma partição rígida, reconhecem dois momentos na produção gramatical brasileira do século: um sob a égide da gramática geral e filosófica e outro, a partir de 1881, com a publicação da Gramática portuguesa de Júlio Ribeiro. Ao final do trabalho podemos dizer que as obras publicadas até 1881 foram marcadas exclusivamente pelos pressupostos da gramática geral e filosófica e , no caso de nosso objeto de análise – o verbo – predominantemente, pela utilização de critérios semânticos.

PALAVRAS-CHAVE:
Gramáticas - Século XIX - Verbo

Texto completo:

PDF

Referências


ARNAULD, A. e LANCELOT, C Grammaire générale et raisonnée. Paris, Republicatios, Paulet. 1969 [1660].

AUROUX, S. Histoire des idées linguistiques . Paris, Pierre Mardaga, T.1, 1989

__________ A revolução tecnológica da gramatização. Campinas, Unicamp, 1992

CAVALIERE, R. Uma proposta de periodização dos estudos linguísticos no Brasil. Rio de Janeiro, Confluência, 25/26, 2002.

CHARTIER, R.A. História cultural: entre práticas e representações. Rio de janeiro, Bertrand Brasil, 1990.

CORUJA, A.P. Compêndio de gramática da língua nacional. Rio de Janeiro, Tipografia Esperança, 2, 1875.

ELIA. S. Ensaios de filologia e lingüística. São Paulo, Grifo, 1975.

FÁVERO, L.L. As concepções linguísticas no século XVIII – a gramática portuguesa. Campinas, Unicamp, 1996

__________ Gramática é a arte... ORLANDI, E. (org). História das ideias linguísticas. Mato Grosso, Unemat,2001.

__________ e MOLINA, M.A.G. As concepções linguísticas no século XIX – a gramática no Brasil. Rio de Janeir4o, Lucerna, 2006.

KRISTEVA, J. História da linguagem. Lisboa, Edições 70, 1969.

MORAES SILVA, A. Dicionário da língua portuguesa. Epítome da gramática portuguesa. Lisboa, tipografia Lacerdina, 2, 1813 [1802].

NEBRIJA, E. Gramática castellana. Madrid Fundación Antonio de Nebrija, 1992, [1492].

NEVES, M. H. M. A vertente grega da gramática tradicional. Brasília, Hucitec, 1987.

Reis, F.S. Gramática portuguesa. São Luís, Tipografia R. d’Almeida. E, 1871.,

RIBEIRO, J. Gramática portuguesa. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 11, 1904 [1887].

RIBEIRO, J. Gramática portuguesa. São Paulo, N.Falcone, 7, 1913 [1881].

ROBINS, R.H. Pequena história da lingüística. Rio de janeiro, Ao livro técnico. 1983.

SÁNCHEZ DE LAS BROZAZ, F. Minerva seu de latinae linguae causis et elegantia. Madri, Cátedra, 1976 [1587].

SOARES BARBOSA, J. Gramática filosófica da língua portuguesa. Lisboa, Academia Real das Ciências, 6,1875 [1822].

SWIGGERS, P. Grammaire française et linguistique générale `l’âge classoique: le problème du mot. Bulletin de la Societé de Linguistique de Paris, LXXXI,,1.

TUSÓN, J. Aproximación a La historia de La linguística. Barcelona, Teide, s.d.

ZAMORANO AGUILAR, A. Gramaticografía de los modos del verbo en español. Córdoba, Universidad de Córdoba, 2001.

___________ El verbo en las gramáticas del español. México, Universidad Autônoma de México, Anuário de Letras, XL, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i48.109

ISSN: 2317-4153 | Indexadores